13.8.08

Cara de anjinha

No início dos anos 90, ele disse pra minha mãe:
- A sua filha é muito boazinha, tem até cara de anjinho, uma gracinha!

Quase vinte anos depois estou trabalhando, levando um aluno doente para a diretoria. Na sala da diretora tem alguém que não conheço, não é da escola. Saí, tomei uma água é já ia voltando pra sala de aula:

- Professora, você não estudou na escola do Jd Ana Maria?
- Sim, por quê?
- Você era sobrinha da Professora Irinéia, filha da Dona Lourdes, não?
E eu olhando para aquele senhor, tentando lembrar ao menos o nome dele. Professor Ivan! O professor de Educação Física, aula que abandonei na primeira oportunidade.
- Nossa, professor! Quanto tempo!
- Você contina jogando a bola na cabeça do professor?
- Putz, achei que só eu lembrava disso...
- E você continua com cara de anjinha!

A conversa se estendeu por mais 10 minutos. Depois o professor ainda passou na minha sala pra ver se conseguia acabar com a concentração da turma, brincando comigo. Está aposentado, foi apenas rever uma antiga colega, a diretora da minha escola.

Será que daqui vinte anos lembrarei de alguma das minhas crianças? Acho que só lembramos de um ou outro, os que marcam mesmo. Mas como eu, tão impopular na escola, teria marcado? Vai ver nem todos eram tão desastrados a ponto de jogar a bola de vôlei direto na cabeça dele.

Voltei pra casa feliz, sem nem saber ao certo o motivo.

3 comentários:

Edu Guimarães disse...

E Bel foi pra casa ouvindo a música "To Sir, With Love", sim, aquela música tema do filme "Ao Mestre com Carinho"... bonito isso.

infaces disse...

Uma pessoa não vive sem passado... rs... E revive-los faz muito bem...

disse...

Que lindo, menina... é uma delícia quando essas coisas acontecem... é uma volta relâmpago no tempo. Quando nos damos conta, começamos a lembrar de pessoas que estavam escondidas na nossa memória.

Encontrei no começo do ano passado uma menina que estudou comigo na quarta série. Putz... a gente conversou tanto... e eu achando que não ia ter mais papo. rs.