20.1.10

Mais pequenos prazeres

Em Santo André chove torrencialmente. Agora já não tanto, mas pouco tempo atrás ruas inundaram, carros parados e perdidos por todos os lados. Todo dia agora é isso. Assim como todo dia também meus pais brigam e me fazem pensar como a vida a dois, debaixo do mesmo teto, deve ser impossível ao longo dos anos. Sinceramente, pensando rapidamente, não consigo pensar num casamento que durou muito tempo. Tô falando de casamento onde o casal vive junto e bem, e não apenas dorme junto, no sentido literal da palavra.

Cheguei agora em casa, todos dormindo, no escuro da sala eu sento pra aproveitar aqueles pequenos momentos, pequenos prazeres que me permito quando estou sozinha. Luz apagada, som dos pingos caindo no chão já encharcado. De vez em quando um vento balança as árvores na frente de casa, são muitas e fazem muito barulho, é maravilhoso. Um som baixinho vem do quarto do meu irmão, alguma música, acho que da Ceu. A única luz é essa, a que vem da janela da sala, fornecida pelas lâmpadas da praça que acabaram de ser consertadas.

Um pouco triste, um pouco melancolica, uma dor de cabeça infernal. Acho que é a dor de cabeça só.

3 comentários:

disse...

Eu tenho medo de casamento. Mas tenho mais da maternidade. rs.

MR disse...

Isso é a vida.

Também quando queremos alguém vem uma dor no estomago, uma tristeza, melancolia, que pode até dar dor de cabeça.

E é essa dor que nos faz lembrar que estamos vivos.

Lizandra disse...

Bom, sou obrigada a discordar. Meu relacionamento já dura mais de 15 anos, 5 deles debaixo do mesmo teto. E até agora vai tudo muito bem. As eventuais brigas são discussões bobas que não duram meia hora. O resto do tempo estamos de bem e falando besteira.