9.2.10

Adolescência

O calor estava infernal. Janeiro. Ela na cama, lendo uma revista, ele no computador, a mãe dele na sala, assistindo qualquer coisa na programação dominical, é tudo igual mesmo.

Não bastando o calor que fazia, ainda tinha aquele calor próprio dos namorados quando impedidos de ficarem como desejam. Abraçaram-se, beijaram-se e o clima esquentou mais alguns graus. A porta do quarto aberta, seria muita bandeira fechar, na TV alguém voltando pra terra natal. A cada segundo a temperatura aumentava, e a cada suspiro vindo de fora do quarto se largava, se recompunham, e logo depois recomeçavam. Até o suor que escorria da pele fazia barulho.

Como em todos os dias quentes, a tempestade se anunciou com ventos fortes, refrescando um pouco o ambiente. Logo nas primeiras rajadas de vento, puff! Cai a rede elétrica, em casa volta logo e com ela alguém ensinando a adestrar um cão, escuridão total na rua.

Ela decide ir embora, passa pela sala, despede-se. Ele vai atrás, bate a mão no interruptor da luz da garagem, fingindo acender a luz. Na garagem, breu total. A tempestade alivia o calor, mas não os ânimos. Tal como acontece no clima, outra tempestade anuncia-se, tendo o beijo como os primeiros raios e trovões. Ninguém na rua, nem próximo de onde estavam, na garagem. Entre os corpos o que ocorre é uma tempestade tal qual a que vem do céu, vem violenta e rápida como as chuvas de verão, rápido só para aliviar a sede da terra e clarear o céu, rápido pra não dar tempo pra ninguém perceber, rápido só pra refrescar.

Ainda durante o último beijo, aquele já mais calmo, os dois se recompõem. Não chove mais, o céu já tem estrelas. Foi embora se sentindo uma menina fugindo dos pais, fazendo tudo o que não se pode fazer, tudo escondido. Aos quase trinta, é bom se sentir uma adolescente. Com a vantagem de ter um carro, claro.

2 comentários:

Lizandra disse...

Gostei do texto. Especialmente da conclusão: "Aos quase trinta, é bom se sentir uma adolescente. Com a vantagem de ter um carro, claro". É realmente adorável poder se sentir adolescente sem ser adolescente! É uma fase da vida que definitivamente fica melhor quando passa.

"Arteathrash" disse...

Amei o texto!!! o desfecho surpreendente! hahaha q legal! adorei, senhora adolescente sem ser! hahaha