22.1.09

Vila Maçarico

Mora em Santo André? Ou na Zona Leste de São Paulo? Se sim, vá até a janela, procure pela chama que não se apaga nunca. Viu? É ali perto que moro. Ou aqui perto? Enfim. Essa é uma das mil e uma noites de suspense no meu quarto. O barulho que não pára desde o fim da tarde, a janela de alumínio vibra de vez em quando. O céu, nublado, derramando uma garoa fininha, reflete o amarelo do fogo. Se alguém vier do centro até aqui e passar pela Avenida dos Estados e Avenida Costa e Silva, poderá sentir o calor que vem da chama mesmo dentro do carro ou do ônibus. Às vezes ouvimos também um barulho que lembra um caminhão enorme subindo uma ladeira, com força total.

Não é toda noite assim. Geralmente não é. Mas é estranho quando crescemos passando por isso, e o que pode ser um absurdo pra você que está lendo, pra mim já é só uma noite mais difícil pra dormir.

Quando criança achava que um dia tudo isso voaria alto, acho que isso fazia parte do nosso imaginário, de todas as crianças que cresceram aqui. Naquela época, algo ali soltava umas espumas pelo ar, tipo aquelas de sabão em pó, que voavam por todos os bairros vizinhos, Jardim Ana Maria, Parque Novo Oratório, Parque Capuava, Jardim Sônia Maria. Caía nas roupas no varal e manchava. Sabe Deus o que era aquilo. Hoje não solta mais nada 'visível'. Só 'inalantes' e esse barulho dos infernos.

Se a Petroquímica explodir, até onde vai acabar? Crescemos com essa pergunta nunca respondida pelos adultos. Hoje, adultos, perguntamos: Quando ela vai explodir? Quando esse barulho maldito vai acabar? E o meu ingresso pro Kraftwerk nem chegou ainda, putz...

3 comentários:

disse...

Vou ter insônia depois de ler esse texto. :)

Ju disse...

caracas divido esse sofrimento!
se vou pra varanda da casa e olho pra cima lá esta a grande torre!
quando faz o barulhão aqui parece que é um avião caindo!
e no fim toda minha familia foi pro interior e a unica coisa que passou pela cabeça foi:
- putz se a petroquimica explodir só eu que morro agora!
kkk, pensamento patetico!

Mila disse...

E eu reclamava qnd morei na frente de uma fábrica de refrigerante... rs
A cada X tempo, a gente ouvia um barulho mto alto, que "decidimos" que era uma máquina que colocava o gás no refrigerante. Faz sentido, né, que uma super máquina coloque de uma só vez em super potência uma super quantidade de gás dentro dos refrigerantes. rsrs
Morar ali tirava meu sono, pq além do barulho, tinha o mistério do funcionário q trabalhava à noite, sozinho, e cantava mto e mto bem.
E eu morei ali por uns 2 anos só.
Imagino crescer com essa história do super fogo que não apaga.
Deve ser estranho. rs

Bjs